quinta-feira, 7 de março de 2019

Três...

Desde algum tempo a esta parte, anda por VRSA, um trio muito engraçado de alegres "jubilados", tal qual "Cócó, Ralheta e Facada", ou melhor ainda tal qual os "Três Macacos" (não vi, não ouvi, não falei).
Têm um gosto especial, pelas sessões publicas da Câmara Municipal de VRSA e após as mesmas "botam" para fora redacções resumidas com o resumo do que se passou. Convenhamos que para a 3ª idade não está nada mal, até porque se trata de um bom exercício de memória e contribui para a melhoria da escrita "deles", pese embora essa melhoria não seja assim tão notória, pois num dos casos os erros são primários.
Fazem interpretações com ares superiores, tipo senadores da nação e tendo-se eles como grandes exemplos de vida - os quais digamos, têm até aspectos muito pouco dignificantes, ao contrário do que querem fazer crer, só que há gente que não tem memória curta e já por cá anda também há algum tempo...
Qualificam as pessoas que querem "atingir" de uma forma desonesta e com base em intrigas e más interpretações do que ouvem e no fundo só dizem "bacoradas".
São desrespeitosos e mal educados e um é mesmo um Cócó, o outro um, verdadeiro Ralheta e por fim o terceiro um Facada, de folha pouco afinada.
Três macacos que ao longo da vida que levam não viram, não ouviram e não falaram.

Vão mas é dar uma "voltinha a ver se chove... que o papá já bai" e se forem para França "não se esqueçam que às 9 horas o papai los quiere en casita... anda".

ac/mr
07.03.19

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

E como o tempo passa



E como o tempo passa, mas o que cá temos, fica;
e como o tempo passa, com as mesmas bestas escondidas a falar e a escrever;
e como o tempo passa e os mesmos pseudo-líderes de opinião continuam a balbuciar;
e como o tempo passa e  a fartura de aturar bestas, cagões, merdosos, "intiligentis", "bezerros" e impostores, continua incessante;

Eu cá vou ficando com o que gosto.
Fazendo opções e marimbando-me
para os atrás referidos.
Fixo-me na beleza do foz do rio.
No encanto das zonas húmidas do pontão.
Acompanho a gaivota que passa.
Distingo ao longe a ponte do Guadiana, que
permitiu outras visões e maneiras de estar perante os vizinhos e não só.

E confesso que gosto mesmo deste paraíso,
onde vivo e desfruto diariamente de tudo o que a natureza,
me dá e me põe à disposição.

Pois e então que se lixem as bestas, que se besuntem os cagões, caquinha para os merdosos, pensem muito os "initiligentis", tomem muito leitinho os bezerros e fora com os impostores.

e tarárá, tarari, xipom, bombom
sem sair do tom
a todos a good weekend
ok

ac/vrsa
11.01.19